2099

Prefeitura Municipal de Várzea Nova

Pular para o conteúdo

Saiba mais sobre como amamentar o seu filho em tempos de coronavírus

20/09/2020 às 20h26

Noticia

Galeria com imagens e vídeos sobre a matéria


Se você é mãe ou está gestante, é natural que tenha dúvidas sobre o que é mais seguro para seu bebê durante o surto da pandemia da Covid-19. O contato pele a pele e a amamentação exclusiva até os 6 meses ajudam seu bebê a ficar saudável e se desenvolver, e não há motivos para interrompê-la por causa desse vírus, até porque segundo dados da Organização Mundial da Saúde (OMS) até o momento, a transmissão do novo coronavírus por meio do leite materno e da amamentação não foi detectada.

Aqui você irá encontrar algumas respostas para perguntas comuns de mães e mulheres gestantes para ajudar a fornecer a experiência mais segura para você e seu bebê, esteja você se sentindo saudável ou até com sinais e sintomas da Covid-19.

Devo amamentar durante a pandemia?

Com certeza! O leite materno fornece aos bebês todos os nutrientes e anticorpos que os mantêm saudáveis e ajudam a protegê-los de muitas infecções. O leite materno aumenta a imunidade do bebê e previne infecções.

Se seu bebê tiver menos de 6 meses de idade, deve ser amamentado exclusivamente – não são necessários outros alimentos ou líquidos, nem mesmo água. Quando seu filho ou filha tiver mais de 6 meses, continue amamentando e ofereça também alimentos complementares seguros e saudáveis.

Você pode passar a Covid-19 para o seu bebê pelo leite materno?

Até o momento, a transmissão do novo coronavírus (vírus que pode causar a Covid-19) por meio do leite materno e da amamentação não foi detectada, embora os pesquisadores continuem fazendo estudos sobre o leite materno.

Logo após o parto, caso a parturiente seja assintomática ou que que não tenham contato domiciliar com pessoa com síndrome gripal ou infecção respiratória comprovada pelo coronavírus, deve manter o contato pele a pele e com seu bebê recém-nascido. Colocar o recém-nascido perto de você permite o aleitamento materno na primeira hora de vida. O início precoce da amamentação também reduz a mortalidade neonatal.

Para as parturientes com sintomas ou com a Covid-19 confirmada, a amamentação deverá ser adiada para depois que a mãe passar pelos cuidados de higiene (banho no leito), troca de máscara, touca, camisola e lençóis.

Se a puérpera for suspeita ou estiver com Covid-19, sugere-se respeitar a distância de dois metros entre o leito da mãe e o berço do recém-nascido.

Devo amamentar se tiver ou suspeitar que tenho Covid-19?

É importante que continue amamentando tomando as seguintes precauções:

Lavar as mãos com água e sabão por pelo menos 20 segundos antes e depois de tocar o bebê;

Usar máscara facial de pano ou cirúrgica (cobrindo completamente nariz e boca) durante as mamadas e evitar falar ou tossir durante a amamentação;

Tocar imediatamente a máscara em caso de tosse ou espirro ou a cada nova mamada;

As máscaras cirúrgicas devem ser descartadas a cada mamada, já as de tecido devem ser de uso individual e bem lavadas com água e sabão ou colocadas de molho em solução de água sanitária diluída em água;

Evitar que o bebê toque seu rosto, especialmente boca, nariz, olhos e cabelos;

Lavar as mamas apenas se você tossir ou espirrar em cima delas. Caso contrário não precisam ser lavadas antes de cada mamada.

Após a mamada, em caso de mães suspeitas ou confirmadas de Covid-19, os cuidados com o bebê (banhos, sono) devem ser realizados por outra pessoa na casa que não tenha sintomas ou que não seja também confirmado de Covid-19;

Em caso de troca de fraldas, o uso de luvas cirúrgicas ou de procedimento descartáveis é recomendado;

Quer saber mais?

Consulte também o Portal de Boas Práticas da Fiocruz ou o site da Organização Pan-Americana de Saúde – Opas/Brasil.

Por: Unicef Brasil.

Fonte: Assessoria Geral de Comunicação.